terça-feira, 30 de janeiro de 2018

~~ ALDA LARA ~~


Baixe o som   


Alda Lara partiu há 56 anos, porém, pioneira no desenvolvimento do
conceito de angolanidade, a sua memória está presente e é honrada,
não só na província de Benguela de onde era natural, mas em todo o país.
Terminada a guerra civil angolana, o governo procedeu a um programa de
reforma e inovação de escolas. Foi nessa altura, que foi  criado o Instituto
Médio Politécnico Alda Lara - IMPAL - localizado no coração de Luanda.
É a maior escola pública de Angola e uma das maiores de África.

Deixo-vos um dos mais belos e emocionantes poemas da talentosa poetisa.

~~ Testamento ~~
À Prostituta mais velha,
Do bairro mais velho e escuro,
Deixo os meus brincos, lavrados
Em cristal, límpido e puro.
***
E àquela virgem esquecida
Rapariga sem ternura,
Sonhando algures uma lenda,
Deixo o meu vestido branco,
O meu vestido de noiva
Todo tecido de  renda...
***
Este meu rosário antigo
Ofereço-o àquele amigo
Que não acredita em Deus...
***
E os livros, rosários meus
Das contas de outro sofrer
São para os homens humildes
Que nunca souberam ler.
***
Quanto aos meus poemas loucos,
Esses, que são de dor
Sincera e desordenada...
Esses, que são de esperança
Desesperada mas firme,
Deixo-os a ti, meu amor...
***
Para que, na paz da hora,
Em que minha alma venha
Beijar de longe os teus olhos,
***
Vás por essa noite fora...
Com passos feitos de lua,
Oferecê-los às crianças
Que encontrares em cada rua.

Talvez goste de recordar outro poema da autora... Aqui

Não deixe de reparar no testemunho, gentilmente deixado em comentário,
 pela Dra Odete Ferreira.

domingo, 28 de janeiro de 2018

RECORDANDO O NOSSO NOBEL...



Sempre gostei muito deles...   




              
A história de um amor muito belo
que alguns por inveja quiseram conspurcar,
mas que conquistou uma vitória brilhante.

sábado, 27 de janeiro de 2018

DIA DA LEMBRANÇA DO HOLOCAUSTO


~~ Que Descansem em Paz Profunda ~~


Na minha opinião, hoje devia ser um dia silencioso, em que se falaria
o mínimo, um dia de séria reflexão sobre as barbaridades cometidas
por alienados, no imenso sofrimento dos judeus vítimas  dos nazistas,
 mas  também, nas vítimas dos restantes genocídios recém- cometidos:
há uma lista de 19, ao qual eu acrescento um atual - o da Palestina.

Meditemos no estranho e ignóbil caso - passar de vítima a algoz!
            
~~ Melissa Venema (1995) tinha 13 anos ~~
                     

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

BOCAGE, O IRREVERENTE




~~ Fábula de La Fontaine e uma sátira ~~

Fábula traduzida por «Elmano Sadino», pseudónimo do poeta setubalense.


Pelo que sabemos, Bocage terá sido sempre na sua vida, a cigarra...
A marquesa de Alorna, Alcipe, socorreu muitas vezes as irmãs do Poeta.
Lisboa nunca viu aliados tanto engenho e tanto estouvamento.


Uma situação que infelizmente estamos sempre a presenciar...

Poema de Bocage


Manuel Maria Barbosa du Bocage foi infeliz ainda criança, desde que
seu pai, advogado que não simpatizava com o 1º ministro (M.Pombal),
foi preso sem julgamento nem direito a defesa, vítima de calúnia.
Manuel Maria tinha 6 anos, irmãos e ficou orfão de mãe aos 10.

Só após a morte de D José (o rei que não governou perpetuado numa
estátua de costas viradas para Lisboa) e o declínio do poder de M.Pombal,
seu pai foi libertado indo trabalhar como advogado em Setúbal.
Manuel Maria tinha 12 anos.

Desenvolveu uma personalidade muito peculiar, independente, irreverente,
rebelde, provocador e satírico, adorava fazer rir Lisboa com seus  excessos.

Muito inteligente e talentoso, sempre teve  quem o admirasse, como
 acontece com o nosso amigo Laerte... Outros... desprezam-no.

Eu fico sempre dividida, gosto muito do seu trabalho intelectual,
mas abomino a sua vertente brejeira... 

domingo, 21 de janeiro de 2018

PLACIDO DOMINGO


*O excelente músico e cantor faz hoje 77 anos*



Quando se fala em Plácido Domingues normalmente pensamos na carreira
de enorme sucesso que fez como ator operático, porém sempre atuou em
espetáculos populares, no início para completar os seus parcos honorários,
Depois, como participação  carinhosa, como acontece no México, país para
onde seus pais emigraram, onde fez o Conservatório, onde jaz a sua família,
terra natal de sua esposa, de seus filhos e sobrinhos.
Em 1985, um sismo violento, grau 8.3 (Richter) destruiu a cidade do México.
Pereceram cerca de 20 000 pessoas e entre elas  estava parte da família
de PDomingo: tios e seu primo que tinha ao colo o seu bebé. O cantor,
seu cunhado, um filho e sobrinho sobrevivente participaram ativamente
no socorro e resgate das vítimas.    

Passado o luto, organizou muitos espetáculos beneficentes.
Embora o cantor e músico não resida no México desde os seus 22 anos,
altura em que iniciou a sua carreira internacional, o México considera-o
um dos seus e convida-o para abrilhantar as suas grandes festas, como
sucedeu em 2010, na comemoração dos 200 anos  independentes do país. 
As festas realizam-se junto ao monumento designado por «EL Ángel»,
erigido na capital para comemorar o 1º centenário de «la independencia».
Em 2015 , 30 anos após  o terramoto, o governo mexicano criou um prémio 
destinado a distinguir a sociedade civil, denominado El Ángel de la Cidade.
Os primeiros prémios foram dados aos que se notabilizaram na solidariedade
durante o sinistro, entre eles estava Plácido Domingo que recebeu o
galardão muito emocionado e dedicou-o a todos os socorristas.
Escolhi músicas pop que o madrileno canta frequentemente no México.







O cantor afirmou ter ficado satisfeito por o México
ter conservado na sua cultura, esta canção. (de origem cubana)


~~ Os mexicanos fizeram Placido Domingo chorar... Aqui ~~

«Monumento a la independencia», México... Clique

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

O FANTASMA DA ÓPERA





É uma canção do musical homónimo criado por ALloyd
Webber, baseado no romance de GLeroux, e inspirado
na sua 2ª esposa, Sarah Britghman, que recorda como
«The Angel of Music», título que deu a outra das canções.
O compositor surpreendeu ao combinar instrumentos
clássicos com instrumentos de música moderna - 1996


Andrew Lloyd Webber e Sarah Brigthman


Na estreia...


~~~ Observe a atuação dos músicos em Viena... Aqui ~~~



No Royal Albert Hall, comemorando o
50º aniversário de ALloyd Webber
Em Dezembro de 2017...

Curiosidades sobre o musical

*Sarah tem promovido excelentes tenores, convidando-os a cantar com ela.
*A peça ganhou os prémios «Laurence Olivier», UK e o «Tony», NY, há 30 anos.
*Estreou-se na Broadway, NY, também em 1988, onde permanece há 30 anos.
*É das peças exibidas por mais tempo. Está no Her Majesty's Theatre, Londres.
*O tenor que atuou como 1º fantasma, Michael Crawford, faz amanhã 76 anos.
*Na altura dos prémios recebeu a distinção de melhor ator em Londres e NY.
*O álbum com o elenco original está na lista dos 200 álbuns definitivos no
 Rock and Roll Hall of Fame.



Her Majesty' Theatre... Daqui,
onde poderá ver todo o teatro, em 'slides'.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

DIA MUNDIAL DO COMPOSITOR



~~ Homenagem a Rodrigo Leão ~~



Aos 53 anos, o compositor comemora em 2018,
25 anos de carreira a solo
contados a partir da edição de «Ave Mundi Luminar»
Resultado de imagem para BLACK page separator png
Rodrigo Leão passou a ser conhecido pelo público com as bandas
Sétima Legião e Madredeus, nas quais trabalhava como baixo e no teclado.
O aparecimento destas bandas foi como uma cascata de água fresca,
Aliaram música tradicional, música erudita e música pop da atualidade.
Este som inovador teve sucesso imediato no país e além fronteiras.

~~ Os Madredeus, do qual foi cofundador ~~ Foto daqui ~~


Em 1995, Rodrigo Leão afasta-se dos Madredeus e inicia uma carreira
a solo muito bem sucedida, em que compõe nos mais variados ritmos
e sonoridades música erudita, afirmando sempre que é um autodidata.
Abrange vários géneros - inclui música de fundo para  poesia e cinema.

A efeméride é celebrada com exposições, discos, digressões e concertos
que serão realizados nas melhores casas de espetáculos do país. Veja
~~ *** ~~
Ouvindo um pouco de cada vídeo fica com uma ideia do
percurso do compositor.


                                          

                              

~~~ Músicas com filme ~~~

.                              

                                        

~~ Acompanhando poemas ~~

     

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

BODAS DE AZNAVOUR - II





As segundas Bodas de Ouro de Aznavour



Um ano e um dia depois do seu casamento com Ulla em Las Vegas,
Charles Aznavour repetiu o casamento, mas desta vez, na Igreja Arménia
de Paris, com intensiva cobertura dos meios de comunicação social.


 
A catedral arménia de Paris foi construída em 1902/1904. Em resposta
a um apelo da Igreja, um milionário do petróleo de Baku, comprou por
preço elevadíssimo, a propriedade nos Champs Elysée e construiu a
Catedral de Saint Jean Baptiste.
Era uma pequena comunidade, hoje é uma das maiores do mundo e
 a Igreja continua a desempenhar um papel fundamental, de matriz.



Um rito curioso e diferente
num pequeno vídeo... Aqui





CAznavour - Herói da Arménia - continua a correr o mundo trabalhando
a favor do país dos seus ancestrais e descendentes.
No ano passado esteve no Chile e Brasil, este ano vai até ao Japão...
É impressionante a sua agenda de trabalho... Veja ...
realizado a par da uma intensa atividade diplomática.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

O TEMPO




Legendado... Aqui


O Futuro... o Tempo dirá...
Fátima Marques, SP, Brasil... Aqui


~~~ Seiscentos e sessenta e seis ~~~

A vida é uns deveres que trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida...
Quando se vê passaram 60 anos...
Agora é tarde demais para ser reprovado...
E se me dessem - um dia - uma outra oportunidade,
 eu nem olhava o relógio,
seguia sempre, sempre em frente...

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

Mário Quintana
Esconderijos do Tempo - 1980 


«Um dia desses, eu separo um tempinho
e ponho em dia os choros que não tenho
tido tempo de chorar.» ,

Carlos Drummond de Andrade