Direitos autorais

************************ Sobre direitos autorais, agradeço que consulte o que consta no rodapé ************************

20 agosto 2023

~~ TORGA 'PRAIANO' ~~

 

 
~~ 'Figueira'. pela Tuna Universitária da Figueira da Foz ~~

Miguel Torga, pseudónimo do médico Adolfo Correia da Rocha
... 1907 - 1995 ...
Foi um célebre escritor português, essencialmente poeta do sec XX.
~~ Prémio Camões em 1989 ~~


Quem observa esta fotografia tirada na Figueira da Foz, possivelmente
de 1940 -- no inicio da segunda guerra mundial -- verifica de imediato,
a relação ainda distante da maioria das pessoas com a praia.
Adolfo Rocha casou com Andrée Crabbé nesse ano.
 ~~~~~~~~~~
 «O mar. Mal cheguei, mergulhei nele. Vinha abrasado de calor e de saudades.
Os que falam do meu telurismo, nem imaginam o meu fascínio pelas ondas.
Nasci, de facto, em terra firme. Mas sou anfíbio, carnal e espiritualmente.»
~~~~~~
Oura, 1 de Agosto de 1987 - Diário XV

<> Um toque de sensualidade e humor saudáveis <>

                       ... PRAIA ...
 Nem mar, nem terra - a estrema que os separa.
Esta orla de areia
Onde, feliz, passeia,
Só vestida de sol,
A nudez dos humanos.
Um limbo de brancura e de alegria.
O tempo sem poder fazer seus danos,
E nenhum rasto ao fim de cada dia. 
 * * * * * * *
Miramar, 1957  ~  Diário VIII

~~ Praia de Oura,  Albufeira,  Algarve ~~

Este é um dos poemas algo sensuais,  do digno e honrado médico.
Coloca o eu poético como um Apolo virgem, em total despojamento,
colhendo os prazeres da praia, das cores, da frescura, das ondas...

                               ~~ ODE ~~
   .
Eis-me nu e singelo!
Areia branca e o meu corpo em cima.
Um puro homem natural e belo,
de carne que não peca e que não rima.
 
A linha do horizonte é um nível quieto;
As velas, de cansaço, adormeceram;
E penas brancas, que eram luto preto,
Perderam-se no azul de onde vieram.
  
 Sol e frescura em toda a praia
Onde não pode haver agricultura;
Esterilidade limpa, que não caia
De pão e vinho a cósmica fartura.
 
 Dançam toninhas lúdicas no céu
Que visitam ligeiras e felizes;
Uma força sonâmbula as ergueu,
  Mas seguras à seiva das raízes.
 
Nem paz, nem guerra, nem desarmonia;
O sexo alegre, mas a repousar;
Em pleno, largo e caudaloso dia,
Sem horas e minutos a passar.
 
 Vem até mim, onda que trazes vida!
Soro da redenção!
Vem como o sangue de outra mãe pedida
Na hora de dar mundo ao coração.
* * * * * * *
Odes - 1946

~~ Praia do Cabedelo - Figueira da Foz ~~
 
Agradeço de 
 a todos que me desejaram boas férias.
Tive um óptimo mês de Julho, mas no corrente, ando lutando
contra uma bactéria que se instalou no meu olho esquerdo
originando um abcesso (terçolho!: )) Enfim, haja paciência!