DIREITOS DE AUTORIA

**************************************************** NO PAINEL SUPERIOR -- O TEJO JUNTO DE LISBOA ***************************************************

quinta-feira, 30 de julho de 2020

💞 CELEBRANDO A AMIZADE


 ... No seu dia de comemoração e sempre ...


     
'Dance me to the end of love' - Pintura de Jack Vettriano
inspirada no poema de Leonard Cohen

  Comemorámos este ano a libertação do campo de concentração Auschwitz,
 onde no auge do holocausto eram eliminadas cerca de seis mil pessoas por
 dia. Também recordamos os 75 anos do fim da II Guerra Mundial, conflito
que causou muita morte e destruição, principalmente na Europa e na Ásia.

Por triste acaso,  este ano a humanidade passa por uma das suas provações
mais graves que também envolve muita dor e sofrimento: o virus mortífero
 parece invencível e a ciência tarda em descobrir a fórmula para o combater.

Neste  momento, penso que
  só o amor -- em todas as suas formas --
torna possível o incentivo, o amparo e o consolo.
«Dance to me to the end of love»  é uma canção sobre o Holocausto.
Leonard era canadiano,  de pais polacos judeus.  Apesar de ter passado
por outras experiências religiosas, manteve-se sempre fiel ao judaísmo.

De acordo com o que contou numa das suas entrevistas,  a necessidade
 de escrever este poema surgiu quando tomou conhecimento de um fato
insólito passado num campo de extermínio:
um quarteto de cordas foi coagido a tocar música clássica enquanto
os familiares e companheiros eram mortos e cremados...   

~~~ É um poema muito belo ~~~

Recentemente,  Maria João Falcão, formada em filologia românica referiu
no seu blogue que preferia-o para o Nobel de Literatura no lugar de Dylan.
Eu creio que tem toda a razão... Estou totalmente de acordo com ela...



  ... D a n ç a d o ...


Composção musical de Leonard Cohen
Música (com a guitarra) de Francis Goya


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

... Amigo, que seja uma comemoração em paz ...

~~~ O meu abraço cordial ~~~


))) Continuo em pausa (((

De férias, cá dentro... 
(dentro do carro e dentro de casa... breves passeios isolados 😷)