Direitos autorais

******************************************* Sobre direitos autorais, agradeço que consulte o que consta no rodapé.*******************************************

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

~~ PABLO NERUDA ~~


))) O blog é apolítico. Presto homenagem ao talento e excelência da escrita. (((


 ... Foi há 50 anos ...

~~ Prémio Nobel da Literatura em 1 971 ~~


>>> Discurso de Estocolmo <<<
~~ Parte final ~~

«Faz hoje cem anos exatos, um pobre e esplêndido poeta, o mais atroz dos desesperados, escreveu esta profecia: Ao amanhecer, armados de uma enorme paciência, entraremos nas esplêndidas cidades.

Eu creio nesta profecia de Rimbaud...
Sempre tive confiança no homem, não perdi jamais a esperança.
Por isso, talvez tenha chegado até aqui com a minha poesia e também com a minha bandeira.

Em conclusão, devo dizer aos homens de boa vontade, aos trabalhadores, aos poetas, que todo o porvir foi expresso na frase de Rimbaud: só com uma ardente paciência, conquistaremos a esplêndida cidade que dará luz, dignidade e justiça a todos os homens.
Assim a poesia não terá cantado em vão.»

~~ Na íntegra aqui ~~

))) Casa de la Isla Negra (((

  «Minha poesia não repeliu nada do que pôde trazer no seu caudal. Aceitou   
  a paixão, desenvolveu o mistério, abriu passagem entre os corações do povo.»


«são hoje este repouso de teu sangue no meu
este leito estrelado e azul como a noite
esta simplicidade sem fim de ternura»


~~~ SONETO  LXVI ~~~
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

«No te quiero sino porque te quiero

y de quererte a no quererte llego

y de esperarte cuando no te espero

Pasa mi corazón del frío al fuego.

 * 

Te quiero sólo porque a ti te quiero,

te odio sin fin, e odiándote te ruego,

y la medida de mi amor viajero

es no verte y amarte como un ciego.

 * 

Talvez consumirá la luz de enero,

su rayo cruel, mi corazón entero,

roubándome la llave del sosiego.

 

En esta historia sólo yo me muero

y moriré de amor porque te quiero,

porque te quiero, amor, a sangre e fuego.»

  «O dever do poeta é cantar com o seu povo e dar ao homem
 o que é do homem: sonho e amor, luz e noite, razão e desvario.» 

~~ N o t a ~~

        Quando publico algo sobre Panlo Neruda, logo aparece alguém referindo o filme 'O Carteiro',
        como se ele se referisse a um episódio real, autêntico, da vida do poeta nobelizado....
        Porém,  o filme é baseado na obra de pura ficção escrito por António Skarméta, chileno que
        também  se exilou após o golpe de estado de Pinochet.  O escritor veio a tornar-se um autor
        ficcional notável, premiado no seu país, para o qual voltou após o fim do governo do ditador.


                                                                                                                                                                                                                                                                                                          
                                                                                                                                                                                                                                                                                

46 comentários:

  1. Além de muita poesia que conheço de Pablo Neruda, li o seu romance O CARTEIRO, que é um poema desde a 1ª página até à última.
    Muito bem AQUI recordado em jeito de homenagem.

    Um beijo amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O livro não é dele Menéres... Leia a nota que acrescentei.
      Retribuo o beijo.
      ~~~

      Eliminar
    2. Vi o filme e li o livro.
      Tão convicto estava que era de autoria de Neruda que não atentei no seu real autor.
      Erro imperdoável, MAJO.

      Um beijo gratíssimo.

      Eliminar
    3. Agradeço a sua participação. Beijo, amigo.

      Eliminar
  2. Cantar com o seu povo.
    Inspirou-me o post de hoje, por acaso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Gosto imenso de Pablo Neruda embora tenha apenas três livros dele.
    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
  4. Maravilhosa tua homenagem ao poeta em seu dia!Adorei! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  5. Olá, amiga Majo!
    Bela e justa homenagem a grande poeta que muito admiro.
    Pablo Neruda, é um dos meus poetas favoritos. Com a sua poesia incómoda para o poder político do seu país, foi obrigado a se exilar em Itália, numa aldeia remota. Ale Além de ser por excelência, o poeta do Amor.

    Associo-me nesta homenagem, com um poema de Pablo Neruda.

    NA SUA CHAMA MORTAL...

    "Na sua chama mortal te envolve a luz.
    Absorta, pálida dolente, assim postada
    contra as velhas hélices do crepúsculo
    que em torno de ti dá voltas.

    Muda, minha amiga
    sozinha na solidão desta hora de mortes
    e cheia das vidas de fogo
    herdeira pura do dia destruído.

    Do sol desabam uvas no teu vestido escuro.
    Da noite as grandes raízes,
    crescem de súbito na tua alma
    e ao exterior regressam as coisas em ti ocultas
    de modo que um povo pálido e azul
    de ti recém-nascido se alimenta."

    Pablo Neruda

    Feliz quinta minha amiga!

    Beijinhos com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece incrível. mas é certo que este este poema foi publicado em 1924,
      quando o autor tinha 20 anos, no seu 2º livro, 'Vinte poemas de amor e
      uma canção desesperada', em Santiago onde estudava.
      No amo anterior tinha publicado Crepusculário, testemunhos do seu enorme
      talento nato...
      Amigo Mário, agradeço a sua dedicação e carinho.
      ~~~~~~

      Eliminar
    2. É verdade amiga Majo. Este poema faz parte deste livro que refere. "Vinte poemas de amor e uma canção desesperada", livro fantástico, que o li com enorme prazer, e o tenho na minha biblioteca.
      Muito Obrigado, pelo carinho e amizade.
      Beijinho e noite tranquila.

      Eliminar
  6. Um grande poeta.
    Beijo, querida amiga Majo.

    ResponderEliminar
  7. Pablo Neruda es mucho Pablo Neruda, es uno de mis poetas preferidos, grande entre los grandes. Su poesía enamora.
    Un gran abrazo Majo y buen resto de semana.

    ResponderEliminar
  8. Um poeta que cresci a ler e com quem aprendi a escrever melhor. Um poeta que leio com frequência e sempre com o mesmo gosto. Obrigada por este momento, minha Amiga Majo.
    Tudo de bom para si.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Boa tarde Majo,
    Uma homenagem linda e muito merecida por Pablo Neruda, um grande Poeta!
    Conheço apenas alguns dos seus poemas, mas sei que foi e continuará a ser uma grande figura da Literatura Mundial.
    Gostei imenso das passagens do seu discurso quando recebeu O Nobel da Literatura, assim como o belíssimo poema que transcreve no final.
    Muito obrigada, amiga, pela excelente partilha.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  10. Uma linda homenagem Majo e obrigada pela partilha! Bj

    ResponderEliminar
  11. Brilhante a sua forma de homenagear! Amei :))
    -
    Tu, eu, e a nossa cumplicidade (da mana)
    -
    Beijos, e uma excelente noite :)
    .
    https://duasirmasmaduras.blogspot.com/
    .
    Apresento-vos um blogue da minha mana mais nova que se iniciou na escrita. Blogue onde também escrevo, para ela. Visitem, sigam e linkem. Obrigada

    ResponderEliminar
  12. Me encanta Neruda. Lindo homenaje amiga. Saludos.

    ResponderEliminar
  13. Las letras de Neruda son fiel reflejo de como cantar al amor.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  14. Uma homenagem encantadora e especial. Chamou-me a atenção: "Só com uma ardente paciência"...
    Lindo fim de semana p você, Majo. Bj

    ResponderEliminar
  15. Viva o poeta! Viva a poesia e toda arte! Ideologias passam, como máscaras de toda estupidez. A arte e o artista, transcendem à província dos tempos e ideias farsantes.

    Bom fim de semana. Um abraço. Tudo de bom.
    APON NA ARTE DA VIDA 💗 Textos para sentir e pensar & Nossos Vídeos no Youtube.

    ResponderEliminar
  16. Uma brilhante homenagem a um Grande poeta.
    Bom fim de semana.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. E que bela homenagem querida Majo, como sempre! :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  18. Excelente Post!
    Uma bela homenagem a um grande poeta!
    Gostei muito!

    Um dia feliz!

    ResponderEliminar
  19. Neruda es un grande entre los grandes, un poeta de la libertad. Las frases que has escogido excelentes, el homenaje muy bueno.
    Una buena entrada.
    Abrazos,Majo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido amigo, o teu comentário anterior não entrou e eu notei na tua ausência...
      Pensei que não gostavas de Neruda... Sorrisos... Abraços
      ~~~

      Eliminar
  20. Fala-se De Pablo Neruda e a poesia faz todo o sentido. Como se o nosso espírito ficasse livre e apaixonado. Vale a pena conhecer a sua obra e a sua luta.

    Que bela homenagem, querida Majo! Realmente confunde-se esse filme. Tem grande envolvimento poético e sentido de humanidade.
    Bom acompanhamento musical.

    Um beijo, querida Majo.

    ResponderEliminar
  21. " No hagas con el amor lo que hace un niño con su globo, que al tenerlo lo ignora, y al perderlo llora "
    Gran homenaje. Siempre será un poeta de referencia.
    Buen fin de semana Majo.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  22. Neruda é um Poeta maior. Admiro muito a sua obra. Curiosamente, um dos poemas de que mais gosto é a «Ode ao gato»...Apear de ser um poema extenso e de os comentários em blogues serem curtos, por natureza, aqui deixo um pequeno abuso. Peço desculpas.
    Oda al gato
    Pablo Neruda

    Los animales fueron
    imperfectos,
    largos de cola, tristes
    de cabeza.
    Poco a poco se fueron
    componiendo,
    haciéndose paisaje,
    adquiriendo lunares, gracia, vuelo.
    El gato,
    sólo el gato
    apareció completo
    y orgulloso:
    nació completamente terminado,
    camina solo y sabe lo que quiere.

    El hombre quiere ser pescado y pájaro,
    la serpiente quisiera tener alas,
    el perro es un león desorientado,
    el ingeniero quiere ser poeta,
    la mosca estudia para golondrina,
    el poeta trata de imitar la mosca,
    pero el gato
    quiere ser sólo gato
    y todo gato es gato
    desde bigote a cola,
    desde presentimiento a rata viva,
    desde la noche hasta sus ojos de oro.

    No hay unidad
    como él,
    no tienen
    la luna ni la flor
    tal contextura:
    es una sola cosa
    como el sol o el topacio,
    y la elástica línea en su contorno
    firme y sutil es como
    la línea de la proa de una nave.
    Sus ojos amarillos
    dejaron una sola
    ranura
    para echar las monedas de la noche.

    Oh pequeño
    emperador sin orbe,
    conquistador sin patria,
    mínimo tigre de salón, nupcial
    sultán del cielo
    de las tejas eróticas,
    el viento del amor
    en la intemperie
    reclamas
    cuando pasas
    y posas
    cuatro pies delicados
    en el suelo,
    oliendo,
    desconfiando
    de todo lo terrestre,
    porque todo
    es inmundo
    para el inmaculado pie del gato.

    Oh fiera independiente
    de la casa, arrogante
    vestigio de la noche,
    perezoso, gimnástico
    y ajeno,
    profundísimo gato,
    policía secreta
    de las habitaciones,
    insignia
    de un
    desaparecido terciopelo,
    seguramente no hay
    enigma
    en tu manera,
    tal vez no eres misterio,
    todo el mundo te sabe y perteneces
    al habitante menos misterioso,
    tal vez todos lo creen,
    todos se creen dueños,
    propietarios, tíos
    de gatos, compañeros,
    colegas,
    discípulos o amigos
    de su gato.

    Yo no.
    Yo no suscribo.
    Yo no conozco al gato.
    Todo lo sé, la vida y su archipiélago,
    el mar y la ciudad incalculable,
    la botánica,
    el gineceo con sus extravíos,
    el por y el menos de la matemática,
    los embudos volcánicos del mundo,
    la cáscara irreal del cocodrilo,
    la bondad ignorada del bombero,
    el atavismo azul del sacerdote,
    pero no puedo descifrar un gato.
    Mi razón resbaló en su indiferencia,
    sus ojos tienen números de oro.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma ode fantástica! Uma análise perfeita do gato, aliada a uma fino humor...
      Penso que é a melhor das suas odes e não a conhecia completa, nem na língua espanhola.
      Agradeço os bons momentos de leitura. Beijo.
      ~~~

      Eliminar
    2. *Apesar.

      Ainda bem que não foi considerado um abuso do espaço tão cuidado que aqui tem!
      Eu comprei em Espanha a «Antologia completa».

      Beijinho, querida Majo e boa semana.

      Eliminar
    3. Beijinho, querida Ana.
      ~~~~~

      Eliminar
  23. Olá, amiga Majo.
    Passando por aqui, relendo esta bela e merecida homenagem a Neruda. E desejar um Feliz fim de semana com muita saúde.
    Beijinhos com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  24. Bello poema de Neruda es un genial escritor. Te mando un beso

    ResponderEliminar
  25. Un homenaje muy lindo en recuerdo de un gran escritor.
    Un beso.

    ResponderEliminar
  26. Del talento de Neruda ni se puede dudar ni hay posibilidad de que termine en el olvido de próximas generaciones. El tema es muy interesante y el poema elegido es generoso en hermosura.
    Gracias por la música que también es uno de los grandes éxitos de la humanidad y que también está tras él, la autora y increíble poeta del mundo hispano-americano.
    Gracias por sus amables palabra. Le agradezco que no tenga en cuenta el poco tiempo que puedo dedicar a los blogs amigos, gracias. Un abrazo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinto uma doce alegria quando me visitas... Agradecida. O meu abraço.
      ~~~

      Eliminar
  27. Não,
    Amo suas publicações
    sempre tão ricas.
    Amo Neruda.
    Bjins de boa nova semana
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  28. Neruda um poeta cheio de paixão...
    Obrigada pela partilha e pela visita ao meu blog.
    Beijos e abraços
    Marta

    P.S.: Peço desculpa de não ter aparecido na comemoração do seu aniversário. Infelizmente, estou com problemas graves laborais, o que está a afectar a minha saúde.

    ResponderEliminar
  29. Neruda... um escritor único, por força dos seus sentimentos também únicos! Um dos meus preferidos! Meu abraço, Majo, boa semana.

    ResponderEliminar
  30. Foi unanimemente reconhecido pela literatura, pelo que a sua homenagem faz todo o sentido, sendo justa a sua evocação.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  31. Mil gracias por esta entrada tan preciosa.
    Entre la música que has elegido y el poema de Neruda, me has alegrado la mañana. ¡Muy bello homenaje a su recuerdo y gran talento como poeta!
    Cariños.
    Kasioles

    ResponderEliminar
  32. Salve Don Pablo, Juro que vivi.
    Você sempre atenta aos movimentos e mestres das artes.
    Neruda para sempre em sua linda homenagem.
    Li muito Neruda na juventude.
    Beijo amiga.
    Cuide-se.

    ResponderEliminar
  33. ~~~
    «OS POETAS ODEIAM O ÓDIO E FAZEM GUERRA À GUERRA»
    Pablo Neruda

    AGRADEÇO TEREM COLABORADO NA HOMENAGEM A ESTE EXTRORDINÁRIO POETA.

    COMETEU ALGUNS ERROS POR HUMANIDADE, ALICERCE DE SUA VIDA E POESIA.

    A CADA UM, O MEU ABRAÇO CORDIAL.

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  34. Sempre interessantes homenagens!

    Beijos.

    ResponderEliminar

~~~~~~~ 💛 ESTIMADO LEITOR 💛 ~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~ Depois de colocar o seu comentário,
~~~~~~ aceda a «mensagem antiga»
~~~ e leia a que habitualmente lhe deixo.
~~~~~ ~ ~ ~ ~ Muito obrigada... ~ ~ ~ ~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~-~~~~~