segunda-feira, 9 de abril de 2018

BATALHA DE LA LYS


Centenário da Batalha de La Lys,
 Flandres, França.

I Grande Guerra Mundial

Ao fundo, o portão.

Embora a comemoração seja predominantemente histórica e este blogue
seja temático, dedicado à arte, tem uma rubrica destinada a intervenção.
Não poderia deixar de assinalar a efeméride deste acontecimento atroz.


Portugal vivia dos dias mais atribulados e sinistros da 1ª República.

Esta batalha que se desenrolou na chamada Frente da Flandres,
comove-me muito, porque os nossos militares  foram lá colocados
cansados, mal equipados, sem agasalhos e com recursos mínimos.
Ficaram conscientes de que eram 'carne para canhão'.
A infantaria bateu-se tenazmente em trincheiras cheias de lodo e
esperou, em vão, ser rendida por ingleses como estava planificado.
Houve suicídios e deserção, mas também registaram-se casos
de imensa e leal bravura... sobre-humana coragem. Defenderam
a linha debaixo de intenso bombardeio feito a partir de tanques,
até os alemães resolverem atacar com gás tóxico...

Ao fundo, o Padrão de Portugal
                                                          
No cemitério de Richebourg estão apenas uma pequena parte dos que
pereceram, seus túmulos representam a memória do que há mais digno
numa nação... os que dão a vida ao serviço da pátria.
            
Os franceses sempre trataram bem os nossos militares,
realizaram os funerais com dignidade e sempre se
mostraram profundamente agradecidos.

A tradução da Marselhesa... aqui.

Nas imediações do cemitério. a
Capela Nossa Senhora de Fátima
e o monumento de La Couture, alegoria
escultórica de António Teixeira Lopes, em
honra da bravura dos combatentes de Portugal.

27 comentários:

  1. Muito triste! :( Beijinhos e boa semana.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade... são das páginas mais tristes da nossa história.
      Grande abraço, amiguinha.
      ~~~~~~~~~

      Eliminar
  2. Excelente postagem, Majo, com as fotos do cemitério dos soldados mortos na guerra e o vídeo com o belo hino francês. Parabéns.
    Uma excelente semana.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito grata por ter colaborado, Pedro.
      Todos os países incluem na sua história páginas dolorosas...
      Grata por ter participado.
      Abraço Amigo.
      ~~~~

      Eliminar
  3. Hoje, de tarde, estive no Arquivo Distrital de Bragança na inauguração de uma exposição fotográfica e documental (notícias de jornais regionais digitalizadas, por ex), incidente sobre o corpo expedicionário português. De manhã, através da RTP3, assisti às comemorações em França (foi comovente ver o hino português cantado por 80 crianças francesas). Posto esta partilha, expresso, agora, os meus parabéns pela tua publicação. É sempre importante relembrar, como dizes os soldados portugueses foram mesmo carne para canhão.
    Bjinho, Majo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto sempre sobremodo da tua colaboração e participação.
      Muito obrigado,Amiga.
      Beijinhos.
      ~~~~

      Eliminar
  4. Querida Majo, estes fatos da historia não podem ficar esquecidos.
    Excelente partilha na informações.
    O triste deve ser lembrado para que se faça reflexão das decisões envolvendo vidas como sabemos do Vietname.
    Grato amiga por pesquisar e trazer para nós.
    Uma semana maravilhosa com paz e saúde.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço muito a sua participação e o seu carinho, Amigo.
      Esta guerra não lhes serviu de lição... Envolveram-se numa segunda
      na qual não participámos felizmente.
      Desejo muito que voltem os dias bons para os brasileiros.
      Abraço, Amigo.
      ~~~

      Eliminar
  5. Querida Majo
    São lembranças dolorosas que marcaram a história e merecem ser lembrados para que as gerações jovens possam conhecer e se olhar dos feitos de seus conterrâneos embora os fatos sejam tristes mas nos faz repensar o quão necessária é a paz
    Uma magnífica partilha minha amiga
    Uma semana linda repleta de alegrias
    Beijos com meu carinho e ternura

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gratíssima pelo teu consolo e carinho, minha dileta amiga.
      Que venham melhores dias para o teu país.
      Beijos, doce poetisa.
      ~~~

      Eliminar
  6. Olhar para o cemitério deprime.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Pedro, é triste e algo macabro...
      Beijinhos
      ~~~~

      Eliminar
  7. Depois de Alcácer Quibir, esta foi a maior tragédia do exército português. Recordo um tio-avô, capitão do exército que por lá passou. Conheci-o em 1950 e, entre outras maleitas, eram bem visíveis os efeitos dos gases a que foram sujeitos os combatentes. Faleceu em 1967. Foi bom ter recordado a data para que a "memória" não esqueça.
    Abraço,

    ResponderEliminar
  8. Majo é uma excelente partilha e a sua escolha recordou um acontecimento que marca a nossa História!bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço o apoio e incentivo, Gracinha.
      Beijinho
      ~~~~

      Eliminar
  9. Uma parte muito dolorosa, direi mesmo cruel da nossa história. Fico sempre perplexa com este acontecimento.
    Ao tempo que não ouvia a Mireille Mathieu...
    Um beijo, minha Amiga Majo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comungamos dos mesmos sentimentos, Graça.
      Agradeço a participação.
      Beijo, estimada Amiga.
      ~~~~

      Eliminar
  10. Gostei de saber mais dessa forte e marcante época histórica, Majo!
    Você sempre nos trazendo episódios e momentos que merecem ser evidenciados. Obrigada!
    O meu abraço sincero e carinhoso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico reconhecida pela participação, incentivo
      e pelas palavras carinhosas.
      O meu abraço, querida Anete.
      ~~~~~~~~

      Eliminar
  11. Uma parte de história muito triste, como sao todas as guerras. Uma boa partilha em forma de homenagem.
    Beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Piedade, são das páginas mais tristes da nossa história, porem, piores foram os tempos em que perdemos a independencia.
      Vamos dando a volta aos nossos desastres.
      Beijinhos, Poetisa.
      ~~~~

      Eliminar
  12. ~~~
    PARECE QUE FALTOU A MUITOS A CORAGEM... SENSIBILIDADES QUE RESPEITO.

    EMBORA TENHA LIDO VÁRIAS VEZES SOBRE A BATALHA, ESTA DESCRIÇÃO QUE

    FIZ FOI BASEADA NUM RELATO FEITO NUM DOCUMENTO EMITIDO PELA SECÇÃO

    DE INFANTARIA DO EXÉRCITO DE PORTUGAL, HÁ DEZ ANOS, NAS COMEMORAÇÕES

    DO NONAGÉSIMO AMO DO DESASTRE DE LA LYS.

    VOLTO A AGRADECER E QUERO VOS DIZER QUE É MUITO BOM PARTILHAR E

    VIVENCIAR CULTURA CONVOSCO.

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É triste verificarmos que as nossa televisões não tenham dado o ênfase que deviam. Os tele-jornais abriram com ou outros motivos de menos interesse geral...
      Abraço,

      Eliminar
    2. Amigo, não é politicamente conveniente...
      Afrontar os alemães que continuam racistas
      e os súbditos de S Majestade que nos abandonaram...
      A favor de uma união europeia ''em cacos''...
      Beijinho
      ~~~

      Eliminar
  13. Como tudo o que é terrífico, nunca se conta em pouco, sobretudo quando os acontecimentos duram anos e têm tantos, mas tantos efeitos ditos colaterais, além de abalar toda a estrutura económica e social da época. Reiterou os meus parabéns pela tua abordagem. Bjinho

    ResponderEliminar
  14. Odete, eu penso o contrário, bastam duas boas páginas para descreve as implicações militares, condições e condicionamentos... Porém é uma guerra que tem sido contada de acordo com os interesses de quem faz o relatos: militares, interesses governamentais e posicionamento político de historiadores.
    Obrigada, Odete.
    Beijos
    ~~~

    ResponderEliminar