***

*** PAISAGEM CULTURAL MARÍTIMA DOS AÇORES ***
A montanha e parte da Ilha do Pico vistas de uma zona elevada da ilha do Faial. As ilhas estão separadas por um estreito de 8,3 Km de largura, que é designado por Canal do Faial, expressão que deu título ao romance de Nemésio. O mar agitado prejudicou este ano as atividades da Semana do Mar.
~~ A fotografia - «Moinhos da Ilha do Faial» - é da autoria de Fernando Araújo.~~

sábado, 22 de outubro de 2016

ALDA LARA








Alda Lara nasceu na cidade de Benguela, Angola, ano de 1930.
Em Lisboa, acabou o curso secundário e ingressou na faculdade, porém, foi em Coimbra que terminou o curso de medicina.
Faleceu, em Angola, aos 32 anos, com a sua obra poética inédita.
Foi seu marido que a compilou e publicou.


Escrito aos 18 anos, em Lisboa, o poema fala de saudade e da dificuldade de adaptação.

~ ~ ~ Regresso
«Quando eu voltar
Que se alongue sobre o mar,
o meu canto ao Creador!
Porque me deu vida e amor
para voltar...

Voltar...
Ver de novo baloiçar
a fronde majestosa das palmeiras
que as derradeiras horas do dia
circundam de magia...
Regressar...
Poder de novo respirar,
(oh!... minha terra!...)
aquele odor escaldante
que o humus vivificante
do teu solo encerra!

Embriagar
uma vez mais o olhar
numa alegria selvagem
com  o tom da tua paisagem,
que o sol
a dardejar calor
transforma num inferno de cor...


Não mais o pregão das varinas,
nem o ar monótono, igual,
do casario plano...
Hei-de ver de novo as casuarinas
a debruar o oceano...
Não mais o agitar fremente
de uma cidade em convulsão...
não mais estes ruídos...
Os meus sentidos
anseiam pela paz das noites tropicais
em que o ar parece mudo
e o silêncio envolve tudo.

Sede... tenho sede dos crepúsculos africanos,
todos os dias iguais e sempre belos,
de tons quase irreais...
Saudade... Tenho saudade
do horizonte sem barreiras...
das calemas traiçoeiras,
das cheias alucinadas...
Das batucadas
que eu não via,
mas pressentia,
em cada hora,
soando pelos longes, noite fora!...




Sim, eu hei-de voltar
tenho de voltar,
não há nada que o impeça.
Com que prazer
hei-de esquecer
toda esta luta insana...
Em frente está a terra angolana,
a prometer o mundo
a quem regressa.

Ah... quando eu voltar...
Hão-de as acácias rubras,
a sangrar
numa verbena sem fim,
florir só para mim!...
E o sol esplendoroso e quente,
o sol ardente
há-de gritar na apoteose do poente,
o meu prazer sem lei...
A minha alegria enorme
de poder dizer:
Voltei!»

Alda Lara - 1948




 ~~~ Entardecer em Benguela


Em Benguela, ao entardecer,
quando o sol - pitanga rútila -
se suspende sobre o mar
e a praia morena
se espreguiça
ansiando o luar
Alda Lara vem
coroada de buganvílias vermelhas
semear múcuas* de sonhos
sobre a terra amada...
Sonhos que são veludo negro pintado de estrelas:
olhos - diamantes - leopardos...

Namibiano Ferreira*
Postado em 2013




Fontes das fotos
A - B - C - D -
* E - Namibiano - Namibe, 1960. 
*múcua - fruto do imbondeiro - árvore emblemática de Angola - com muitas sementes doces comestíveis.

18 comentários:

  1. Conhecida de nome, não a conhecia como poeta. Interessante.

    ResponderEliminar
  2. Curta vida, bela poesia!
    beijinho

    ResponderEliminar
  3. Um post de extraordinária beleza, que me deu a conhecer uma autora que desconhecia por completo...
    Magnifica partilha, Majo!
    Beijinhos! Bom fim de semana! Espero conseguir ouvir o video na próxima semana, pois aqui a net é problemática...
    Ana

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia, mas gostei muito! De como cada um de nós, com a nossa sensibilidade, sente a saudade da Terra que nos viu nascer...que em certa altura, é a melhor do mundo!

    ResponderEliminar
  5. Não conhecia. Que pena ter partido tão nova! Depois de ter sofrido tanto por terras lusas...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Poesia toda ela perpassada pela nostalgia dos quentes africanos , terra que enfeitiça!
    Não conhecia, Majo , por isso grata por sair daqui mais enriquecida.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  8. Não tenho nenhum livro de Alda Lara. É pena porque gostei muito destes poemas. Cantou Lisboa de passagem com as raízes de África a puxarem por ela. E morreu tão jovem... Obrigada pela partilha, minha Amiga Majo.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Gostei dos poemas que escolheste da poeta.
    Majo, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Olá Majo
    Que lindas palavras desta poeta que não conhecia...
    Aliás, o por do sol em Benguela deve ser magnífico, assim como as árvores floridas de múcua!!!
    Um lindo domingo!

    Bia <º(((<

    ResponderEliminar
  11. Querida Majo, não conhecia Alda Lara. Espero que a sua curta vida tenha sido intensa e bela como a sua poesia.

    Um beijinho e votos de um domingo repleto de música e poesia :)

    ResponderEliminar
  12. ✿゚ه° ·.
    Muito linda, muito lírica, amor incondicional à terra natal.
    Fez-me lembrar Gonçalves Dias na poesia Canção do Exílio.
    Maravilhosa escolha!
    Boa semana, com tudo de bom!!!
    Beijinhos.
    🌿🌾

    ResponderEliminar
  13. Adorei conhecer!
    Benguela é uma bela cidade!
    Bj

    ResponderEliminar
  14. ~~~
    TEM RAZÃO, QUERIDA MISS SMILE, ALDA LARA TEVE UMA VIDA CURTA, MAS INTENSA E FELIZ.

    VOLTAREI A FALAR DELA, POIS A SUA POESIA EMOCIONA-ME.

    AGRADEÇO A TODOS QUE CONFIARAM NO MEU GOSTO E DISPUSERAM-SE A OUVIR ESTE POEMA - EM

    GÉNERO DE ODE - QUE SUBLIMA A BELEZA TROPICAL E ESPECIAL DESTA CIDADE DO LITORAL SUL-

    ANGOLANO.

    GRATA A TODOS PELO REGISTO DA VOSSA OPINIÃO.

    DIAS DE UM OUTONO ILUMINADO. ABRAÇOS CORDIAIS.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  15. Poesias de grandes e profundos sentimentos.
    Os "sabores e odores" de África cravam-se na Alma.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  16. Que lembrança, evocar Alda Lara!!!
    Muita gente nem sequer sabe do nome.
    Parabéns, Majo.

    ResponderEliminar
  17. Amiga: já tinha lido a tua partilha no TM mas esperei ter um tempinho calmo para deixar um testemunho.
    Tomei contato com a poesia da Alda Lara, através de um ótimo programa de rádio (rádio Vizela) da responsabilidade de Conceição Lima, que ouço semanalmente à 4.ª feira, pelas 21H, a "Hora da Poesia", no qual divulga autores de hoje, desconhecidos (eu já fui ao programa) e grandes vultos, preferencialmente aqueles que estão mais esquecidos. No final, produzo sempre um comentário; infelizmente, aquando da Alda Lara, ainda não tinha o hábito de guardar em documento o que escrevia.
    Nesta tua feliz partilha, deixo-te os parabéns pela escolha dos poemas, são representativos da sua obra. Foi um deslumbramento conhecer a sua poética. Curiosamente, recentemente, numa apresentação de um livro, na minha cidade, estava presente (por razões de amizade com a autora) o filho, João Lara. Tivemos uma agradável conversa, como podes imaginar. Fiquei a saber que o marido deixou os direitos de autor à APPACDM de Braga, onde se pode também encontrar a sua obra.
    Uma obra fabulosa, um pensamento avançado para o seu tempo.
    BJO, Majo :)

    ResponderEliminar
  18. Um belo grito para um povo sofrido e massacrado. Já segui vários blogs de Portugueses que falavam e Benguela e este nome me soa familiar Majo. Não tinha lido esta postagem, Namibiano Ferreira. Venho pela postagem atual sobre Alda.
    Muito boa partilha querida Majo.
    Bjs

    ResponderEliminar