***

*** PAISAGEM CULTURAL MARÍTIMA DOS AÇORES ***
A montanha e parte da Ilha do Pico vistas de uma zona elevada da ilha do Faial. As ilhas estão separadas por um estreito de 8,3 Km de largura, que é designado por Canal do Faial, expressão que deu título ao romance de Nemésio. O mar agitado prejudicou este ano as atividades da Semana do Mar.
~~ A fotografia - «Moinhos da Ilha do Faial» - é da autoria de Fernando Araújo.~~

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Drummond de Andrade II



O Poeta era apreciador de música clássica.

          

Carlos Drummond de Andrade nasceu a 31 de Outubro de 1902

Esta homenagem é o seguimento de um trabalho anterior, que publiquei.  Aqui.

Em 1920, a família mudou-se para Belo Horizonte e por vontade dos pais
 foi tirar o curso de farmácia que ainda era ministrado em Ouro Preto.
Em 1925 acabou o curso e casou com uma das minhas primas brasileiras,
 Dolores Dutra Moraes.*
Enquanto estudante, publicou alguns trabalhos, manteve contatos
com editoras e redações de jornais e frequentou tertúlias no Café Central.
Conheceu Oswaldo do Andrade, Tarsila do Amaral e Mário de Andrade,
tornou-se correspondente de Manuel Bandeira e, por toda a vida, de Mário de Andrade.
Estes relacionamentos foram essenciais para o desenvolvimento do conceito modernista.

Escola de Pharmácia de Ouro Preto - 1915 - 1931

Nunca exerceu farmácia e iniciou a sua vida laboral como professor, porém,
 passado pouco tempo teve um convite para redator-chefe.
Passou uns anos, mudando-se de jornal para jornal.
Entretanto, foi escrevendo os poemas para a edição do seu primeiro livro.


Em 1928, publicou na revista «Antropofagia» de S Paulo este poema
«No meio do Caminho»
que teve um impacto escandaloso entre os intelectuais conservadores da época.

Dedicatória - «À  filhinha querida,
este idílio do papai e da mamãe. Dia, 26.1.42»


Foi neste ano que nasceu a sua filha Julieta, com quem manteve
 ao longo da vida, uma relação muito amorosa e próxima.

Em 1930 publicou o seu primeiro livro, Alguma Poesia,
 do qual fazem parte os poemas que hoje aqui publico.

Acentuadamente modernista, o livro causou grande polémica que só o favoreceu.

Em 1934, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, para chefiar o gabinete
 do recém Ministro da Educação e Saúde, Gustavo de Capanema, seu amigo.
~~ Sentimental ~~

«Ponho-me a escrever o teu nome
com letras de macarrão.
No prato, a sopa esfria, cheia de escamas.
E debruçados na mesa todos contemplam
este romântico trabalho.
Desgraçadamente falta uma letra,
uma letra somente,
para acabar o teu nome!

- Está sonhando? Olhe que a sopa esfria!

Eu estava sonhando...
E há em todas as consciências um cartaz amarelo:
Neste país é proibido sonhar.»

O uso de situações do quotidiano...
Ironia... Possivelmente em relação aos folhetins radiofónicos


Fontes - A - B - C - D 
Família Dutra Moraes - E - F 
- Poderá gostar de ler «Os Dutras» - Aqui *

21 comentários:

  1. Bom dia
    Esta poesia eu gosto. AS "Sem razões do amor" acompanham-me, num recorte velhinho, desde a adolescência. Adorei ouvir o poema dito na abertura dos JO 2016, pela Fernanda Montenegro e pela Judy Dench, dele.
    Boa lembrança!

    ResponderEliminar
  2. "Vai, Carlos! ser gauche na vida". Impossível não gostar do Drummond. Gostei de ler o que escreveu sobre ele. Achei muito interessante que a sua prima brasileira Dolores Dutra Moraes tenha casado com ele...
    E foi um gosto saber de tudo isto ao som de Mozart.
    Beijos, minha amiga Majo.

    ResponderEliminar
  3. O que aprendemos por aqui.Gostei de ler.

    ResponderEliminar
  4. Gostei do que disse sobre Carlos Drummond de Andrade. Um vídeo apropriado. Curioso ele ser seu primo por afinidade. Será que também seria de sua família, o Presidente da Republica Dutra, do final dos anos 40? O apelido "Dutra" é muito comum no Brasil.
    O meu abraço,

    ResponderEliminar
  5. Olá Majo! Que bela afinidade!
    Gosto imenso de Drummond e fiquei mais enriquecida com tudo o que li e ouvi :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Obrigada por esta partilha. Gosto muito de Drummond de Andrade mas nada sabia sobre ele.
    Um abraço e bom feriado

    ResponderEliminar
  7. Quero te parabenizar, Majo, por esta excelente postagem sobre Carlos Drummond de Andrade, um dos maiores poetas da língua portuguesa. Parabéns também pela transcrição de alguns de seus poemas.
    Tenha uma ótima semana.
    Abraço.
    Pedro.

    ResponderEliminar
  8. Fico feliz por ver mais um pouco do nosso Drummond e agora seu Drummond.
    Bela informação Majo. Ler Drummond é entrar num mundo maravilhoso de uma época,
    olhar com os olhos de Drummond o cotidiano,que o tanto inspirou. Belas ilustrações com sua obra.
    Uma semana maravilhosa.
    Bjs de paz querida amiga.

    ResponderEliminar
  9. Não sou grande amante de poesia.
    Carlos Drummond de Andrade será uma das excepções a essa regra.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Gostamos muito deste poeta aqui em casa, a simplicidade e a modernidade da sua poesia é um verdadeiro convite a descobrir a obre poética deste homem das letras.
    Bom Feriado!

    ResponderEliminar
  11. Brilhante, Drummond de Andrade. Adoro. Obrigada Majo.

    ResponderEliminar
  12. Notável. É, sempre, com alegria que sigo os caminhos que vão sendo revelados por "outros" olhos.
    Admiro a cortesia e o gosto que matiza cada abordagem que fazes.
    A Poesia tem "caminhos" que, quem por eles passa, interpreta e desvenda.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  13. Amiga Majo, estou a ler esta tua merecida homenagem a Drummond de Andrade ao som de Mozart, um duo imbatível!
    Fiquei mais rica culturalmente, pois desconhecia a vida do poeta e folgo também em saber que tem parentesco contigo :)
    Um post perfeito em todos os aspectos , parabéns!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  14. Bom dia, querida Majo!
    Alegrei-me bastante ao tirar uma foto na estatua dele aí...
    "No meio do caminho havia uma pedra"... é o que me vem à mente sobre ele...
    Vc organiza tão bem seu post sobre diversos assuntos e temáticas!
    Bjm muito fraternal

    ResponderEliminar
  15. Conhecia o poema da pedra e a Quadrilha, que ouvi pela primeira vez pelo inesquecível João Vilaret.

    Beijinhos amigos

    ResponderEliminar
  16. Mais um post notável, que tantos factos me deu a conhecer deste autor magistral, que adoro, e do qual já publiquei algumas citações, por lá no meu canto!
    Grata por esta magnifica partilha, Majo!
    Beijinhos! Continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  17. Excelente homenagem a Drummond.
    Adoro ler as suas poesias.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  18. Gostei deste trabalho, Majo. O Drummond é santo da minha devoção.
    Muito interessante também foi saber da sua afinidade com o poeta, por via da prima Dolores.
    Parabéns e um bj.

    ResponderEliminar
  19. Que giro seres ainda aparentada deste fabuloso poeta, tão incompreendido na sua época como o são sempre os grandes!
    Penso que é unânime a admiração pelo poeta. Aprecio, particularmente, além da mensagem, a forma como verseja: com a naturalidade dos que têm a poesia dentro, partindo de elementos do quotidiano, arrancando um conteúdo de enorme dimensão e que surpreende.
    ONG por esta riquíssima partilha.
    BJ, Majo :)

    ResponderEliminar
  20. O VOSSO BOM GOSTO E CONHECIMENTOS LITERÁRIOS CONTRIBUÍRAM SOBREMANEIRA

    PARA COMPLETAR E ENRIQUECER ESTA PÁGINA. O MEU BEM-HAJA A TODOS.

    ABRAÇOS AFETUOSOS.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  21. Biografia do Poeta excelentemente documentada.
    E o parentesco com os "Dutra", o que nos situa
    mais perto de Drummond de Andrade, através da Majo.

    Uma publicação sobre o Poeta diferente e humanizada
    precisamente porque, para além da minha admiração
    por ele, aqui sinto-o como em casa.

    Cara Majo, muito obrigada.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar