sábado, 17 de setembro de 2016

A José Régio

~ Homenagem ~

Nasceu em Vila do Conde, a 17 de Setembro de 1901.


A cidade do rio Ave e a Casa Museu José Régio, na avenida homónima.

~~ * ~~

Escolhi este poema que Régio escreveu nos seus verdes anos
porque me agrada sobremaneira a sua fina ironia
e porque prova que o talento não é qualidade que se adquirira com a prática...

  

~ ~ ~ Adão e Eva                                                                                        

«Olhámo-nos um dia
E cada um de nós sonhou que achara
O par que a alma e a carne pedia.

- E cada um de nós sonhou que o achara

E entre nós dois
 Se deu, depois, o caso da maçã e da serpente.
... Se deu e se dará continuamente:

Na palma da tua mão,
me ofertaste, e eu mordi o fruto do pecado.

- O meu nome é Adão...

E em que furor sagrado
Os nossos corpos nus e desejosos
Como serpentes brancas se enroscaram,
Tentando ser um só!

Ó beijos angustiados e raivosos
Que as nossas pobres bocas se atiraram,
Sobre um leito de terra, cinza e pó!

Ó abraços que os braços apertaram,
Dedos que se misturaram!

Ó ânsia que sofreste, ó ânsia que sofri,
Sede que nada mata, ânsia sem fim!
- Tu de entrar em mim,
Eu de entrar em ti.

Assim toda te deste,
E assim todo me dei:

Sobre teu longo corpo agonizante,
Meu inferno celeste,
Cem vezes morri prostrado...
Cem vezes ressuscitei
Para uma dor mais vibrante
E um prazer mais torturado.

E enquanto nossas bocas se esmagavam
E as doces curvas do teu corpo se ajustavam
Às linhas fortes do meu,
Os nossos olhos muito perto, imensos
No desespero desse abraço mudo,
Confessaram-me tudo!
... Enquanto nós palrávamos, suspensos
Entre a terra e o céu.

Assim as almas se entregaram
Como os corpos se tinham entregado.
Assim duas metades se amoldaram,
Ante as barbas, que tremeram,
Do velho Pai desprezado!

E assim Adão e Eva se conheceram:

Tu conheceste a força dos meus pulsos,
A miséria do meu ser,
Os recantos da minha humanidade,
A grandeza do meu amor cruel,
Os veios de ouro que o meu barro trouxe...

Eu os teus nervos convulsos,
O teu poder,
A tua fragilidade,
Os sinais da tua pele,
O sabor do teu sangue doce...

Depois...

Depois o quê, amor? Depois mais nada.
- Que Jeová não sabe perdoar!

O Arcanjo entre nós abrira a longa espada...

Continuamos a ser dois,
E nunca nos pudemos penetrar!»

~~ * ~~

«Cântico Negro» dito por Maria Bethânia




Os dois textos poéticos são da obra, Poemas de Deus e do Diabo, de 1925





Fontes das fotos
~~ A B C ~~

27 comentários:

  1. Adorei sua escolha...especialmente o vídeo!
    Trabalhei 18 anos no concelho de Vila do Conde...uma cidade que me deu imenso!
    Bj

    ResponderEliminar
  2. Que linda e emocionante homenagem que fizeste a José Régio amiga Majo.
    Desconhecia este poema que me fez vibrar, tal a sua intensidade.
    Costumo dizer que Régio seria um grande poeta mesmo que só tivesse escrito o Cântico Negro.
    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Poema maravilhoso, sensual.
    Pegarei outros poemas do autor.
    Valeu essa sua postagem.
    Um beijo, Majo!

    ResponderEliminar
  4. Linda homenagem, Majo.
    Pertenço a um distrito que cresceu com Régio, pois aqui foi professor longos anos!
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Sei que José Régio é muito celebrado e admirado, mas não estou familiarizada com a sua obra, confesso.

    ResponderEliminar
  6. A sintonia da entrega total num poema maravilhoso.

    Beijos, Majo :)

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia este poema do José Régio e ele é magnifico, já o "Cântico Negro" ouvi um dia na voz do inesquecível Mário Viegas, no programa de radio "Palavras Ditas".
    Ao escutar neste video-clip a Maria Bethânia recordei-me de um álbum dela intitulado "Drama 3º Acto", são as pequenas memórias:)
    Bom domingo

    ResponderEliminar
  8. E escolheu muito bem Majo. É lindo!

    ResponderEliminar
  9. Um imenso poema como imensa é a nostalgia em que este fim de verão nos vai mergulhando com o abraço morno sol.
    Régio no seu todo deixando nos sempre rendidos
    Um prazer , Majo, visitar sua casa . Bem-vinda também !
    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Associo-me à homenagem. Dos dois poemas só me lembrava do "Cântigo Negro", poema que muito aprecio.

    ResponderEliminar
  11. Magistral este poema sobre amor do poeta José Régio!
    E o outro poema interpretado por Bethânia é um dos meus preferidos, uma bela mensagem de vida.
    Belo post!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Belissima escolha.

    Conheço as duas casas. Vila do Conde e Portalegre.

    Beijinho e boa semana.

    Ana

    ResponderEliminar
  13. Duas excelentes escolhes, Majo.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  14. Além do "Cântico Negro" (que a Maria Bethânia diz tão bem) foi o poema "Adão e Eva" um dos que mais me cativou na poesia de José Régio, porque o li numa altura em que me encontrei nele... Uma homenagem muito merecida. É preciso não esquecer poetas como ele.
    Uma boa semana, Majo minha Amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  15. O Régio é sempre uma festa um prazer.
    E de Bethânia que dizer se é mel no dizer?

    Muito bom? excelente, Majo.

    ResponderEliminar
  16. Olá, Majo! Aproveito uma vinda rápida a Lisboa, onde a Internet me não falha, para a visitar e deixar um beijinho.
    No final da semana já devo ter Internet no Estoril e poderei retomar as visitas mais assiduamente ( apesar de o tempo ser escasso, porque me meti numa aventura de reformado...)
    Beijinhos e até breve

    ResponderEliminar
  17. Minha amiga, José Régio havia de se sentir muito bem na tua casa. Pelo bom gosto e pela escolha que fizeste, bem representativa da sua grandeza.
    Aprecio muito Bethânia.
    Bjinho :)


    o gosto que te caracteriza

    ResponderEliminar
  18. QUERIDOS AMIGOS.

    COMO SÃO ESTIMULANTES AS VOSSAS PALAVRAS DE CARINHO E SINTONIA!

    CONTINUAÇÃO DE DIAS MUITO AGRADÁVEIS PARA TODOS.

    ~~~ ABRAÇOS CORDIAIS ~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  19. Uma bela e justa homenagem a este grande escritor! Tão esquecido. Mas com muitos fiéis leitores. OBrigada!É bom ver que se fala dele, Majo! Era uma pessoa especial, conheci-o muito bem durante a minha infância e adolescência. Além de ter sido meu prof de Português e Francês, três ou quatro anos, foi antes do mais um grande amigo do meu pai. Por isso o conheci bem. Um beijo

    ResponderEliminar
  20. Estimada MJ, sei que tem tentado comentar os meus 'posts', o que ainda não é possível por incompatibilidade de antivírus. Fico muito reconhecida pela intenção e pelos comentários de hoje.
    Depois da homenagem que fez a seu pai no blogue, soube que ele e Régio eram amigos pela Wikipedia.
    Acredito que se sinta privilegiada por ter privado com ele e gostei muito de saber que o considera uma 'pessoa especial', pois também tenho a mesma opinião.
    Dias muito aprazíveis e felizes para si e família.
    Beijinho. ~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! É sempre um prazer - e um privilégio- encontrar pessoas especiais. Precisamos delas para conseguir viver uma vida diferente! Gosto muito do que escreve e vou voltar mais vezes. Beijinhos

      Eliminar

  21. Excelente esta homenagem a José Régio, Majo.

    Gostei muito, Cara Majo.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, estimada Olinda.
      Tudo de bom.
      Beijo.
      ~~~

      Eliminar
  22. Bela escolha Majo, lindo e intenso e que beleza ver a Bethânia aqui.
    Sou colecionador dela, e adoro quando ela recita grandes poetas, como Pessoa, Régio aqui.
    Show de postagem Majo.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico sensibilizada com o seu carinho...
      Obrigada, querido amigo.
      Beijos.
      ~~~

      Eliminar