terça-feira, 22 de novembro de 2016

ALDA LARA





Este apontamento biográfico, é consequente do que iniciei - aqui.
Na altura, apenas apreciava sobremaneira a poética da autora, porém,
fui tomando conhecimento de episódios da sua vida que me despertaram a atenção.
Cruzei muitos dados, para conseguir esta interessante sinopse que
 espero que vos agrade tanto, como me agradou a mim.
Tendo terminado o seu curso secundário no Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho, 
Alda Lara iniciou o curso de medicina e frequentou a Casa dos Estudantes do Império,
em Lisboa, onde participou ativamente na animação poética de saraus e tertúlias.
Depois de umas férias em Angola, a poetisa casou-se com um colega de medicina,
Orlando de Albuquerque, natural de Moçambique, que também veio a ser escritor.
Mudaram-se para Coimbra, onde nasceram os seus quatro filhos.
Apraz-me saber que esta inteletual angolana, desenvolveu profundo asco
 pela política e ideais guerrilheiros, afirmando-se pertencer a um centro (político).
Abominava projetos violentos e a avidez e sede de poder.
Todos os seus esforços tiveram o objetivo de desenvolver o sentimento
 de angolanidade - que não existia minimamente entre as várias etnias -  atender
aos cuidados de saúde e elevar cultural e socialmente o povo angolano.
Apraz-me saber que, tal como este casal, houve inteletuais angolanos
que idealizaram uma forte luta pacifica pelos seus direitos e liberdade,
conquista essa que pouparia o povo de 40 anos de guerra violenta,
 - 13 de guerra colonial e 27 de guerra civil -
 e da atual vergonhosa oligarquia que domina um povo amedrontado,
ainda a emergir da miséria física e mental.



Benguela, foto de João Marcelo Souza

   Presença Africana  

Extrato do poema escrito       
  em Benguela, aos 23 anos.    
«E apesar de tudo,
ainda sou a mesma.
Livre e esguia,
fiha eterna de quanta rebeldia
me sagrou.
Mãe-África!

Mão forte da floresta e do deserto
ainda sou,
a Irmã-Mulher
de tudo que em ti vibra
puro e incerto!...

A dos coqueiros,
 de cabeleiras verdes
e corpos arrojados
sobre o azul...
A do desdém
nascendo dos braços das palmeiras...

A do sol bom, mordendo
o chão das Ingombotas...
A das acácias rubras
salpicando de sangue as avenidas
longas e floridas
...  ...  ...
Terra!
Minha, eternamente...
Terra das acácias, dos dongos,
dos cólios baloiçando,
mansamente... mansamente...

Terra!
Ainda sou a mesma!
Ainda sou a que num canto novo,
pura e livre,
me levanto,
ao aceno do teu povo!
Na íntegra - aqui        

Fontes
A -  B - C
Fotos do Pinterest

21 comentários:

  1. Desconhecia Alda Lara. Obrigada por me enriquecer com mais este apontamento . África fica sempre no coração de quem sai de lá. O resto duma boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite, querida Majo!
    Que feliz coincidência!
    Estava eu ouvindo o vídeo, com calma... recebi seu comentário... beleza de sintonia!
    Bem, o poema reflete o que a autora vivia... tão bonito e dá o que pensar...
    Vc combinou bem, claro! Fundo musical e temática do post...
    Vou seguir ouvindo o vídeo serenamente...
    Bjm muito fraternal

    ResponderEliminar
  3. Alda Lara, é com Sophia de Mello Breyner e Cecilia Meireles, o meu trio favorito de poetisas e as primeiras a entrarem para a galeria do meu "A mulher e a poesia"
    O vídeo avivou as minhas saudades de África.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Um vídeo que complementa maravilhosamente sua pesquisa, Majo! Incentivo à cultura! Parabéns!
    abraço.

    ResponderEliminar
  5. Olá Majo.
    Um belo aprofundamento para belas informações da contribuição na poesia.
    Berço de meus pais onde há poesia.
    Bela postagem de sua excelente pesquisa.
    Meu terno abraço.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  6. É muito bom conhecer Alda Lara que confesso não conhecia.
    Sempre a aprender.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Há Mulheres assim, que pautam a sua vida pela coragem e pela liberdade. Gostei de ler sobre Alda Lara de quem conheço alguma poesia. Obrigada, Majo.
    Um beijo, minha Amiga.

    ResponderEliminar
  8. Querida Majo, gostei muito deste apontamento biográfico sobre Alda Lara, tão bem elaborado. Fiquei a conhecê-la através de uma homenagem que a Majo lhe prestou há tempos aqui no seu blogue. É, sem sombra de dúvida uma mulher forte, inspiradora, talentosa. A sua poesia fala-nos de África, mas tem um sentido universal.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  9. Lembro-me perfeitamente do seu outro post sobre a poetisa.
    Obrigada por nos brindar com mais estes pormenores da sua vida.
    Bem-haja!
    bjs

    ResponderEliminar
  10. Oi Majo, não conhecia a Alda. Maravilhosos versos! Você sempre me colocando às novidades antigas. Muito obrigado! Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia esta poetisa, obrigada pelo texto!

    um abraço

    ResponderEliminar
  12. Amiga Majo
    Estive a ler o teu outro post onde constatei neste confirmei, que a sua poesia reflecte um imenso amor à sua terra natal, onde nascer e faleceu tão jovem ainda.
    Devo dizer que conheço muito pouco sobre esta poeta, mas os poemas que aqui tão bem expões, são de uma sensibilidade tão grande que me emocionaram.
    Vou ler mais sobre ela e sobre a sua obra.

    Um beijinho grato

    ResponderEliminar
  13. Gostei de saber. Também terminei o secundário no Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho.... (mas não sou poetisa... :((

    Beijinhos poéticos.

    ResponderEliminar
  14. Oi Majo
    Desconhecia a poetisa Alda Lara
    Mas com os apontamentos da sua pesquisa foi me inteirando da grandeza de ser humano que foi e o poema de uma riqueza encantadora emociona pela melancolia saudosa de sua terra
    E o vídeo coaduna perfeitamente com a sinopse do seu texto
    Beijinho

    ResponderEliminar
  15. Conheço mal a poesia da autora, mas gostei do que publicaste dela.
    Bom fim de semana, querida amiga Majo.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. Este carinho manifesto por Alda Lara surprendeu-me por se tratar de uma figura quase desconhecida da grande maioria das pessoas.
    Conhecia, gosto e recomendo.
    Excelente edição especialmente pela divulgação.
    Bj.

    ResponderEliminar
  17. Majo
    gostei de saber algo mais desta poetisa.
    poemas bem escolhidos que fui ler na integra.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  18. O que sei sobre Alda Lara foi através da Majo. Ao ler a sua poesia é fácil adivinhar a sua enorme sensibilidade. Gostava muito da sua África! Pena ter falecido tão nova. Um vídeo muito interessante e apropriado à postagem.
    Bjo.

    ResponderEliminar
  19. ~~~
    ESTIMADOS AMIGOS.

    ALDA LARA É MUITO AMADA EM ANGOLA POR TODAS AS SENSIBILIDADES POÉTICAS,

    POR TODOS QUE AMAM ÁFRICA E, ESPECIALMENTE, NAS CINCO PROVÍNCIAS A SUDESTE

    DO SEU PAÍS.

    AINDA FAZ SENTIR ÀS NOVAS GERAÇÕES O SENTIDO DE AMGONALIDADE...

    GOSTEI DE SABER QUE A APRECIASTES.

    ABRAÇOS DE AMIZADE SINCERA
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  20. Revi o comentário que deixei na outra postagem.
    Parabéns pelo teu excelente trabalho de recolha, permitindo aprofundar a nossa admiração pela mulher e pela poetisa.
    BJ, amiga👍

    ResponderEliminar
  21. Uma autora que desconhecia, por completo!...
    O que torna ainda esta publicação mais admirável, e enriquecedora!...
    Maravilhoso trabalho, como sempre, Majo!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar