DIREITOS DE AUTORIA

É proibida a reprodução, cedência, difusão , distribuiçã0, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer
forma ou meio eletrónico, mecânico ou fotográfico dos conteúdos aqui publicados, sem o autêntico consentimento prévio e expresso da autora. Excetuam-se desta interdição os usos autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente, direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem, com o link respetivo, prática usada neste espaço para todos os conteúdos privados. ////////////// ... Outubro, rosa 🎀... \\\\\\\\\\\\\\

domingo, 6 de outubro de 2019

... DIA 6... COM SOPHIA ...



Leia aqui...

... H O M E N A G E M ...

             
  6 de Novembro de 1 919                        
⭐  ⭐  ⭐  ⭐  ⭐  ⭐  ⭐  ⭐  ⭐                                        
    2 de Julho de 2 004                    
 ~~~ O lado popular da Poeta ~~~

Sophia Andresen adorava viajar e quando o fazia ficava descontraída,
bem disposta, mais comunicativa e afável.
Quis deixar este tributo aos Açores e às suas gentes, em versos de perfeita
redondilha menor, forma mais popular, mas de simplicidade só aparente,
quando a composição é trabalhada com criatividade e mestria.


~~~ A Ç O R E S ~~~
❤  ❤  ❤  ❤  ❤  ❤  ❤  ❤  ❤
Há um intenso orgulho
Na palavra Açor
E em redor das ilhas
O mar é maior
🏵
  Como num convés
Respiro amplidão
No ar brilha a luz
Da navegação
🏵
Mas este convés
É de terra escura
E de lés a lés
Prado agricultura
 
A terra é lavrada
Por navegadores
E os que no mar pescam
São agricultores
🏵
Por isso há nos homens
Aprumo de proa
E não sei que sonho
Em cada pessoa
🏵
As casas são brancas
Em luz de pintor
Quem pintou as barras
Afinou a cor
 
 Aqui o antigo
Tem o limpo de novo
É o ar que traz
Do largo o renovo
🏵
É como um convés
De intensa limpeza
Há no ar um brilho
De bruma e clareza
🏵
É convés lavrado
Em plena amplidão
É o mar que traz
As ilhas na mão.
 Buscámos no mundo
Mar e maravilhas
Deslumbradamente
Surgiram nove ilhas
🏵
E foi na Terceira
Com o mar à proa
Que nasceu a mãe
Do poeta Pessoa
🏵
Em cujo poema
Respiro amplidão
E me cerca a luz
Da navegação
  Em cujo poema
Como num convés
A limpeza extrema
Luz de lés a lés
🏵
Poema onde está
A palavra pura
De um povo cindido
Por tanta aventura
🏵
Poema onde está
A palavra extrema
Que une e reconhece
Pois só no poema
🏵
Um povo amanhece
🏵 🏵 🏵 🏵 🏵 🏵 🏵 🏵 🏵
O Nome das Coisas
Lisboa, 1977 

~~~ 'In memoriam' ~~~

  A minha homenagem a Manuel Medeiros Ferreira, açoriano, natural
da ilha de  S Miguel, poeta, músico e compositor popular falecido há
 cinco anos, a quem se deve a elaboração  da canção  Ilhas  de  Bruma.
 O poema bem enquadrado na lírica açoriana,  traduz com perfeição a
 condição de açorianidade, de modo que se tornou no hino não oficial
da região autónoma,  um sentimento profundo partilhado em todos
os estratos culturais das nove ilhas.

26 comentários:

  1. Bom dia Majo,
    Uma bela homenagem recordando o centenário de Sophia e a sua poesia prestando também um merecido tributo as ilhas que recentemente sofreram as provações que sabemos.
    Gostei da música que não conhecia.
    Beijinhos e bom domingo.
    Ailime

    ResponderEliminar
  2. Mais um belo capítulo de homenagens à Sophia ! Gosto muito de tua dedicação ! beijos, tudo de bom,chica e um lindo domingo!

    ResponderEliminar
  3. Bom dia. Sempre com ricas e merecidas homenagens...Adorei.Obrigada pela partilha. :))

    Hoje:- Sinto que nas nuvens estão ausentes |Poetizando e Encantando|

    Bjos
    Votos dum óptimo Domingo.

    ResponderEliminar
  4. Stupendi i versi che hai proposto, non conoscevo la canzone, mi piace e la metto nelle miglia che gia tengo.
    Buona domenica.

    ResponderEliminar
  5. Majo,
    Eu amo viajar aos domingos aqui
    em suas publicações.
    Tenho tido pouco tempo
    para comentar, mas ler
    eu leio sempre que atualiza.
    Feliz domingo.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  6. Majo
    Obrigado por dar a conhecer!
    Gosto muito das suas escolhas!!!
    Bj

    ResponderEliminar
  7. Majo,
    tenho com a grande Sophia uma semelhança, fico-me muito bem quando viajo. Amo viajar, conhecer novas terras e novas "gentes". Nunca fui aos Açores , mas tenho planos de um dia poder ir-me por lá.O poema e a canção fazem bonita dupla em motivação.
    Tenha boa semana.
    Bjo,
    Calu

    ResponderEliminar
  8. Oi Majo
    Aqui eu viajo nas suas belíssimas homenagens
    E hoje fiz um passeio de sonho com este belíssimo poema e esta música tão linda
    Gosto imenso destes momentos de êxtase poético
    Beijinhos no core querida amiga

    ResponderEliminar
  9. Uma bela homenagem a uma excelente poeta! :) Beijinhos querida Majo.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  10. A Sophia tão bem homenageia.
    Muito bonita esta ´serie.
    Abraços amiga.
    Boa semana.
    Beijo

    ResponderEliminar
  11. Celebrar Sophia. Mais uma vez, minha querida Amiga Majo. Esta homenagem que ela fez aos Açores é lindíssima, como toda a sua Poesia.
    "Por isso há nos homens
    Aprumo de proa
    E não sei que sonho
    Em cada pessoa"
    Sempre pormenores que nos cativam numa linguagem só aparentemente simples.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  12. Sempre maravilhosas as suas homenagens!! Parabéns!

    -
    Sinto falta das palavras, apenas as tuas. [Do Blogue - Com Amor]
    Beijo e um excelente semana.

    ResponderEliminar
  13. Açores... lugar que tenho uma vontade enorme de conhecer! Lindíssimos, os versos, a foto e o vídeo! Obrigado, amiga; meu abraço, boa semana!

    ResponderEliminar
  14. Já sabes, querida Majo, como trago entranhado este hino e a magia das ilhas de bruma. O azul, o negro e o branco são poesia a navegar no oceano. E os vinhedos nascidos nas pedras negras. E a gente afável, a gastronomia e as romarias. Sophia Andresen também nos deu conta do seu encanto, do seu jeito tão especial! Que maravilhosa homenagem!

    Grande e caloroso abraço, minha amiga.

    ResponderEliminar
  15. :)
    Até os meus olhos sorriram agora! Belo! Maravilhoso!
    Que bom encontrar aqui esta publicação agora. S. Miguel! Faial, de onde regresso agora ao "contenente" (mesmo tendo tido lá o encontro com o furacão e ter presenciado a devastação na Feteira, a freguesia onde eu estava). As ilhas de bruma são um cantinho do céu!

    Boa semana, amiga!
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiquei muito emocionada...
      Gostei de saner que também tem afinidades estreitas com a ilha do Faial.
      Abraço grande, Amiga Fá.
      ~~~~

      Eliminar
  16. A grande SOPHIA rodeada de sonhos por todos os lados
    BJ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ben-vindo, EF, ao tempo!!
      Gosto dos teus sucintos pareceres.
      Beijo

      Eliminar
  17. Uma postagem lindíssima no dia 06/10!...
    A música 🎶 tem um ritmo e uma letra preciosos demais...
    Tudo lindo, Majô!!!
    Obrigada pelos parabéns por lá, fiquei feliz com o seu comentário no Vida & Plenitude...
    Abraço grande

    ResponderEliminar
  18. Bela homenagem com um primor de poema. Bjs

    ResponderEliminar
  19. A Sophia e o mar que canta em cada uma das palavras...
    Lindo...
    Adorei...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  20. Majo, Majo! Que delicadeza de poema! Cada verso nos toca, com a suavidade de uma brisa marítima. Que singeleza linda ! Parabéns por mais essa joia. Grande beijo. Feliz noite.

    ResponderEliminar
  21. E falhei o dia 6, aqui, com a nossa querida Sophia,
    nessa bela homenagem que a Amiga Majo lhe dedica
    todos os meses. No próximo dia 6 faço questão de
    estar presente no "A Vivenciar a Vida".

    Referência merecida a Manuel Medeiros Ferreira.

    Beijo

    Olinda


    ResponderEliminar
  22. ~~~
    AGRADEÇO A TODOS TEREM REGISTADO AS VOSSAS IMPRESSÕES

    E OS VOSSOS SENTIMENTOS.

    A POESIA É ASSIM: MAIS OU MENOS ERUDITA, ELA DELEITA

    A NOSSA SENSIBILIDADE-

    A TODOS, O MEU ABRAÇO CORDIAL

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  23. A Sophia - sempre - para nosso deleite, ela via a alma das coisas e do Homem muito para além do evidente. E o centenário quase a completar-se.
    E o "maldito". Por onde anda Sena?
    Beijo, cara Majo.

    ResponderEliminar